quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Biografia

Para alimentar a polêmica sobre a lei que proibe a publicação de biografias não autorizadas :

Sigmund Freud recusou o pedido de um ex-paciente que pretendia biografa-lo. Ele argumentava que a "verdade biográfica" não existia.

Felizmente não faltaram os que fizessem mais tarde biografias do pai da psicanálise. Entre outros, Ernest Jones e Peter Gay, aliás "diferentes entre si  e em suas "verdades".

Saiba mais no jornal O Estado de São Paulo, edição de 20/10/13

Preferência

Até onde sei, minha preferência é por homens. O máximo que fiz com mulher foi beijar Hebe Camargo.

Ivete Sangallo, cantora,brincando com rumores sobre sua bissexualidade.

Colesterol

Se está preocupado com seu nível de colesterol no sangue procure ler o artigo do Dr. Drauzio Varella na Folha de São Paulo, edição de 30/11/13.

Verá que há exagero na forma como pintam o vilão. Há coisas piores para favorecer ataques cardíacos. A saber: sedentarismo, obesidade, diabetes, fumo e obesidade.

Copa e dengue

A Copa pode criar foco mundial de dengue. O alerta é do sanitarista Simon Hay publicado na revista científica Nature.

No texto "Febre do futebol pode virar uma dose de dengue" o médico lembra que no período do torneio três cidades, Fortaleza, Natal e Salvador vão passar pelo pico da temporada de transmissão da doença.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 28/11/13

Poesia

A poesia é algo que anda pelas ruas. Que se move, que passa ao nosso lado. Todas as coisas têm seu mistério, e a poesia é o mistério que todas coisas têm

Federico Garcia Lorca

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Natal II

                                          A Alma da Aldeia
                                          Eu creio que a Eternidade nasceu na aldeia.
                                          Lucian Blaga

                                          Enquanto o céu de noite se vestia
                                          a lamparina, dentro da cabana
                                          tentava prolongar o fim do dia
                                          por trás da porta tosca de umburana.
                                         A lua é outra mágica alegria
                                         ao despontar soberba e não engana:
                                         a noite na colina se anuncia
                                         e sobre a aldeia paira, soberana.
                                         Chegou o Natal; da pobre manjedoura
                                         sem ornamentos, pois que de verdade
                                         sob o luar, que a envolve e doura
                                         se escuta um choro, quase alacridade...
                                         A alma da aldeia em prece, qual se fora
                                         dela nascida a própria Eternidade!

                                         Luciano Maia

Natal I

                                           Epifania
                                           Falai oh! Trovas, balbuciai louvores
                                          Âmbulas plenas de cintilante brilho
                                          Anjos em coro caminhando em flores
                                          Perfumes, alegrias, em santos trilhos.
                                          Orações, salmos, cantochão e litania,
                                          Já é Natal diz a Vésper do oriente
                                          É tempo de amar Jesus em Epifania
                                          Flamas de Fé no coração do crente.
                                          E os anjos em perfeita sintonia
                                          Cantam ao menino Deus inocente
                                          O dom celeste da divina "laetitia".
                                          É nova a vida na alma reluzente
                                          Genuflexos, prostrados, a estrela guia,
                                          Na manjedoura, Jesus, Deus presente.
                                          José Maria Bonfim
                                          Natal 2013.
                                          Foto do autor.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Liberdade

Do Catecismo Jovem da Igreja Católica :

A liberdade é a possibilidade, concedida por Deus, de poder agir totalmente por si próprio; quem é livre não age por determinação alheia.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Black Friday

A promoção comercial importada dos Estados Unidos para incentivar as vendas de fim de ano pode ter sido para muita gente um tiro no pé.

Em muitos casos os preços das mercadorias em vez de baixarem subiram. Na verdade 21% dos preços foram alterados para mais. Os produtos que tiveram preços elevados representam mais do dobro daqueles com preços reduzidos.

Em relação ao ano passado a Black Friday de 2013 registrou um número quatro vezes maior de itens com aumento.

Está em jogo a credibilidade do evento.

Saiba mais no jornal O Estado de São Paulo, edição de 13/12/13

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Excesso

A Coreia do Sul é sempre um exemplo citado quando o tema é educação. 64% dos sul-coreanos, entre 25 e 34 anos tem ensino superior. É de longe o maior percentual entre os 36 paises monitorados pela OCDE ( Organização para Cooperação e Desenvolvimento Ecônomico).

Na Suiça, por exemplo são 44%; na Noruega 50% e no Brasil 13%. Para os sul-coreanos, após a guerra de 50 que separou o país a educação se tornou um valor que ao lado do trabalho duro compensasse a falta de recursos naturais.

A estratégia foi bem sucedida. Acontece que há um descasamento entre oferta e procura. Não são raros os casos de bachareis trabalhando em áreas diferentes de sua formação.

Em 2011 75% dos jovens (25/34 anos) com formação superior na Coreia estavam empregados. No Brasil o percentual era de 88%. Há um desemprego crônico na Coeria do Sul para os jovens com educação superior.

Saiba mais Folha de São Paulo de 15/12/13

Matogrosso

Já passei dos 70 e não estou nem aí, para mim está tudo igual.

Ney Matogrosso, cantor, que lançou novo álbum, aos 72 anos.

Chile

Michelle Bachelet, eleita ontem no segundo turno volta à presidencia do Chile. A vitória foi folgada e já era esperada.

O que minguou foi o comparecimento às urnas. No primeiro turno a abstenção já foi alta, 48%. No segundo turno chegou a 40%. Como aquele país aboliu o voto obrigatório repete-se ali o fenômeno de abstenções elevadas observado onde o sufrágio é facultativo.

A experiência chilena deve ajudar no debate sobre o tema que de vez em quando ressurge no Brasil.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 15/12/13

Imobiliária

O Banco do Brasil anuncia que irá vender parte de seu patrimônio em imóveis. O negócio poderá render cerca de R$ 1,0 bilhão até 2016.

A medida de desmobilização permitirá ao banco ter mais recursos para emprestar aos clientes além de melhorar o índice de Basileia que considera a relação entre o capital próprio e ativos ponderados pelo risco.

O plano inicial prevê leiloar a útima sede administrativa em Brasilia e mais dois terrenos na capital federal. Com amelhoara nas condições do mercado de capitais o BB espera entregar a um fundo imobiliário mais 200 agências.

Saiba mais no jornal O Estado de São Paulo, edição de 14/12/13

Eutanásia

O Senado belga acaba de aprovar lei que autoriza a eutanásia para crianças doentes e com dor. Na verdade é a extensão a menores de idade da lei de 2002 que legalizou a eutanásia naquele país.

Pelo texto deve haver "sofrimento físico constante e insuportável" e a concordância dos pais por escrito. E, claro, quando não houver esperança de recuperação da doença e esta se acompanhar de dor física extrema.

Se aprovada a medida pela Câmara dos Deputados a Bélgica será o primeiro apís a adotar tal procedimento.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 14/12/13

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Tempos black

Manifestantes black blocs viram carro da polícia em São Paulo durante ato de apoio aos professores em greve no Rio. Os pilares do Masp foram pichados. Agências bancárias e lojas, depredadas. O governador Geraldo Alckmim (PSDB) liberou o uso de balas de borracha contra manifestantes e a polícia prendeu e indiciou pela Lei de Segurança Nacional, uma lei da ditadura, dois estudantes acusados de vandalismo. A justiça os liberou depois.
(Fonte: O Estado de S.Paulo - 13/10/2013)

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Biografias

Há uma polêmica ocupando grande espaço na midia sobre a publicação de biografias.

Enquanto autores e editores invocam a liberdade de expressão consagrada na constituição para escreverem e publicarem biografias não autorizadas, isto é, sem autorização prévia do biografado, quando vivo, ou de seus familiares, se falecidos, biografados e biográfaveis, celebridades, se insurgem contra essa atitude arrimados em dispositivo da constituição que garante a privacidade.

Caberá ao Supremo Tribunal Federal dirimir a questão estabelecendo a primazia de um ou outro íten constitucional. Paralelamente tramita na Câmara dos Deputados que revoga dispositivo do Código Civil que ampara decisões judiciais suscitadas por interessados que culminam com a apreensão de biografias publicadas.

Pelo que leio nos jornais tenta-se um acordo no Congresso em torno de um texto que libere as publicações mas admitam um rito sumário na justiça para decidir sobre queixas dos que se julguem ofendidos pela obra.

Selecionei duas opiniões divergentes sobre o tema entre tantas expressadas por famosos envolvidos na discussão.

Quem vale mais? A vida pessoal de quem deve tudo ao público ou a liberdade de escrever ?
Roberto da Matta

Em lugar de escolherem um assunto os modernos biógrafos agarram uma vítima. A coisa vai a tal ponto que os homens bons têm medo de morrer.
William Lyon Phelps, em O Prêmio, de Irving Wallace, página 176

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Elas

O que elas disseram :

Espionar entre amigos é inaceitável
Angela Merkel, a propósito da espionagem americana

Não pensa que é mole, não.
Dilma Rousseff, sobre governar o Brasil

Por que mulheres maduras que chegam ao poder só usam roupas minimalistas ?
Roberto Cavalli, estilista italianos sobre o estilo sóbrio de Angela e Dilma

Futebol

O sonho dos treinadores é fazer do futebol um jogo técnico, tático, racional e previsível;não vão conseguir.

 Tostão, em artigo Folha de São Paulo, edição de 27/10/13

Protestos

Pesquisa Datafolha mostra que 95% dos pulistanos ouvidos desaprovam os black-blocs. Para 76% os protestos foram mais violentos que deveriam;42% acham que a PM se excedeu.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 27/10/13

Fábrica

O grupo Edson Queiroz vai construir uma nova fábrica de bebidas em Horizonte. O investimento será de R$ 100,00 milhões.

A companhia já possui três outras plantas de bebidas. Só o setor de bebidas do grupo emprega 3.000 pessoas. Ao todo são 21 fontes de água distribuidas por 15 estados.

A nova unidade ampliará em 30% a capacidade de produção da Indaiá, marca que é forte no nordeste. Além de água serão produzidos sucos e refrigerantes.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 25/10/13

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Homenagem a Vinicius e Nava

Balada de Pedro Nava I - Vinicius de Moraes

(O anjo e o túmulo)

I
Meu amigo Pedro Nava
Em que navio embarcou:
A bordo do Westphalia
Ou a bordo do Lidador?

Em que antárticas espumas
Navega o navegador
Em que brahmas, em que brumas

Pedro Nava se afogou?

Juro que estava comigo
Há coisa de não faz muito
Enchendo bem a caveira
Ao seu eterno defunto.

Ou não era Pedro Nava
Quem me falava aqui junto
Não era o Nava de fato
Nem era o Nava defunto?…

Se o tivesse aqui comigo
Tudo se solucionava
Diria ao garçom: Escanção!
Uma pedra a Pedro Nava!

Uma pedra a Pedro Nava
Nessa pedra uma inscrição:
“- deste que muito te amava
teu amigo, teu irmão…”

Mas oh, não! que ele não morra
Sem escutar meu segredo
Estou nas garras da Cachorra
Vou ficar louco de medo

Preciso muito falar-lhe
Antes que chegue amanhã:
Pedro Nava, meu amigo
DESCEU O LEVIATÃ!

Marcos Vinicius da Cruz de Mello Moraes, ou Vinicius de Moraes (Rio de Janeiro, 19 de outubro de 1913 - Rio de Janeiro, 9 de julho de 1980) - Além de poeta, foi compositor, letrista, jornalista, dramaturgo e diplomata. Um dos mais conhecidos e lidos poetas brasileiros. Foi um dos responsáveis pela modernização da música brasileira através da Bossa Nova, ao lado de músicos como Antônio Carlos Jobim, Carlos Lyra e Baden Powell.

VOO COMERCIAL OU JATO EXECUTIVO?



VOO COMERCIAL OU JATO EXECUTIVO?
Esforço Fiscal e Eficiência das Políticas Públicas


É difícil não perceber o crescimento de um clamor social entre os cearenses, que cada vez mais criticam a falência das políticas públicas locais. O Ronda do Quarteirão não conseguiu conter o crescimento da violência, o sistema público de saúde agoniza como os pacientes do “piscinão do HGF” e a economia perde força e competitividade.

De forma simples, o sucesso de uma política pública depende tanto da eficiência do seu desenho (o Ronda do Quarteirão, por exemplo, foi uma estratégia de marketing de campanha política, e não uma proposta séria de política), quanto da eficácia de sua execução (várias iniciativas que o atual governo deu continuidade, como o Projeto São José e a Política de Habitação Social, parecem ter sido cooptadas politicamente, perdendo o foco programático original, como nos mostra o chamado “Escândalo dos Banheiros”).

Além disso, a limitação de recursos – pessoas, material, dinheiro e boas ideias – faz com que o custo do erro seja amplificado, pois quando optamos por fazer algo que não funciona ou não atinge o objetivo pretendido, o fazermos às custas de outras iniciativas que poderiam ter sido executadas. Existem poucas balas, então, não adianta gastar munição!

Daí a enorme importância da qualidade do pessoal do staff estratégico (planejamento, fazenda, administração, controladoria etc.), que garante a integração da ação do Estado, e do esforço fiscal, que nos diz nossa capacidade de execução material. As finanças públicas evoluíram muito no Brasil e hoje existe um amplo acervo de procedimentos e normas que buscam alinhar esses aspectos técnicos e operacionais da execução das políticas públicas, mas muito ainda depende da habilidade do gestor principal e de suas escolhas: voo comercial ou jato executivo?

Vivemos em um estado pobre. A renda média de uma família cearense em 2012 era equivalente a apenas 63,4% da renda média nacional, segundo dados da PNAD, do IBGE. Temos, portanto, uma capacidade contributiva menor do que média nacional, o que exige um Estado muito mais eficiente no controle dos seus gastos.

Quando Governador dediquei especial atenção a essas questões. Criei uma secretaria de controle interno, a Controladoria, com o objetivo de melhorar a execução dos gastos públicos e fizemos um enorme esforço na gestão das finanças públicas, como, por exemplo, no controle do endividamento público.

Em dezembro de 2002 a relação entre Dívida Corrente Líquida e Receita Corrente Líquida (DCL/RCL) era de 1,18, isto é, a dívida total do Estado era maior do que as receitas anuais em 18%. Após um enorme esforço de equilíbrio das finanças públicas, com controle rigoroso de todos os gastos, conseguimos levar o índice DCL/RCL para 0,60 com um ganho de 58 pontos percentuais no período, resultando numa gigantesca economia com o pagamento de juros e a recomposição da capacidade de endividamento do Estado.

A dívida estadual caiu de R$ 4,5 bilhões, em valores nominais do final de 2002, para R$ 3,6 bilhões, em dezembro de 2006. Devemos lembrar que a conjuntura daquele período era bastante adversa: o então Ministro da Fazenda, Antônio Palocci havia estabelecido metas elevadas para o superávit primário do setor público e os estados deveriam colaborar, o que reduziu a capacidade de investimento de todos os estados, não só do Ceará. Porém, no decorrer daquele período, com a redução da dívida conseguimos retomar a capacidade de inversão, que passou de R$ 627 milhões, em 2003, para R$ 1,65 bilhão, em 2006, ou de 1,9% do PIB para 3,6% do PIB.

Dessa forma, passei o Governo para o meu sucessor com dois excelente indicadores do esforço fiscal: endividamento baixo e elevada capacidade de investimento.

A comparação com o atual Governo é inevitável: a relação DCL/RCL continuou caindo, chegando a 0,28 em dezembro de 2012, isto é, uma redução de 32 pontos percentuais em seis anos, portanto, inferior ao que conseguimos no período 2003/06. Graças aos nossos esforços de disciplina fiscal, os valores nominais de investimentos também cresceram, atingindo R$ 4,4 bilhões em 2013, ainda que a população não consiga ver os benefícios do maior dispêndio público.

O Estado vem reduzindo o seu nível de eficiência, tanto do ponto de vista programática, com políticas públicas com defeitos de formulação e execução, quanto do ponto de vista estrutural, ao corroer a disciplina fiscal quando escolhe ter mais e piores despesas do que seria socialmente defensável: a escolha é sempre pelo jato executivo.
 
Os dados da relação DCL/RCL estão disponíveis na página eletrônica do Tesouro Nacional, no endereço https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/Responsabilidade_Fiscal/Prefeituras_e_Governos_Estaduais/arquivos/DCL_RCL_Estados_24092013.pdf. As informações sobre investimento público do Estado do Ceará podem ser consultadas em www.seplag.ce.gov.br nos relatórios anuais de Mensagem à Assembleia.

Fraude

Acaba de ser descoberta mais uma fraude no SUS. Em 5 anos o desvio teria sido de R$ 500,00 milhões. As irregularidades aparecem em prefeituras, Estados e instituições particulares.

Para se ter uma ideia do descontrole há registro de 201 consultas de um paciente no mesmo dia.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 20/10/13

Amigos

Editores de quatro revistas médicas brasileiras, todas ligadas à conceituadas instituições, combinaram entre si a publicação de artigos que seriam citados nas outras três de forma a aumentar o fator de impacto dos periódicos.

O impacto é importante para avaliar o desempenho dos pesquisadores e a qualidade do periódico. Trata-se de uma avaliação quantitativa que prestigia o pesquisador citado e as revistas onde os trabalhos foram publicados.

A ação entre amigos foi descoberta graças a um programa de computador. A punição aplicada foi branda, pois não havia uma previsão para esse tipo de fraude. Um dos editores foi demitido, as revistas deixaram de constar do índice de avaliação e trabalhos nelas publicados deixaram de ser contabilizados.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 19/10/2013

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Cardápio

Na Síria, envolta em uma trágica e interminável guerra civil, um grupo de clérigos islâmicos emitiu um decreto religioso (fatwa, em árabe) que permite aos muçulmanos cercados pelos combates entre os rebeldes e as forças do governo comerem cães, gatos e burros. A ONU relata mortes por desnutrição.

Saiba mais no jornal O Estado de São Paulo, edição de 16/10/13

Volência

Do Diário do Nordeste, edição de 15/10/13 :

Balanço
Grande Fortaleza registrou 27 crimes.
Foram 4 na sexta-feira, 4 no sábado e 13 no domingo
25 a tiros e 2 a golpes de faca

Voos

O preço dos voos no período da Copa já aumentou dez vezes. Uma passagem Rio/São Paulo custa o mesmo que ir à Nova York.

Trechos menos concorridos também estão inflacionados.

Quanto aos hoteis há registro de aumentos de até 583%. Nas 12 cidades sede os reajustes estavam acima de 100% quando comparados preços das diárias para a Copa com as cobradas entre julho/agosto deste ano.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 14/10/13

Amazon

Dez escritores brasileiros autores de contos e romances terão obras traduzidas e publicadas pela Amazon.

Entre os escolhidos está Tércia Montenegro, escritora cearense, com uma antologia de histórias breves deverá sair por aquela gigante americana no início de 2014.

Tércia é autora do livro de contos O Vendedor de Judas (Prêmio Funarte; Demócrito Rocha, 2011) e do romance Instruções para Beijar (7 Letras, 2010), entre outros.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 15/10/13

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Retrato de um gigante


                                                     Entre os conservadores britânicos,
                                                     imaginar que um trabalhador braçal
                                                     pudesse votar só poderia ser piada

A esquerda luta contra as desigualdades; a direita pretende apenas perpetuá-las. Podem passar milênios sobre a história humana. Mas esse é o clichê que fica.

Injusto. Nos últimos tempos, por motivos acadêmicos, tenho passado os dias com o conservador Benjamin Disraeli (1804""1881).

Sim, na longa galeria de primeiros-ministros britânicos, Disraeli perde em popularidade para gigantes como Churchill ou até para o contemporâneo Gladstone. Quando muito, Disraeli é lembrado como romancista (mediano) e um dos principais confidentes da rainha Vitória.

Mas Disraeli foi mais que tudo isso: ele simplesmente evitou que a Inglaterra cumprisse a revolução profetizada por Marx. A forma como o fez desafia todos os clichês ideológicos.

Aliás, a referência a Marx não é por acaso. Porque ambos, habitando a mesma cidade, contemplaram o mesmo problema: o fosso crescente entre ricos e pobres; a concentração de riqueza (e de poder) na mão de uns poucos --e depois uma longa legião de miseráveis que a Revolução Industrial produzia nas cidades.

Mas existe uma diferença: para Marx, o proletariado estava pronto para a revolução porque nada tinha a perder. Para Disraeli, o proletariado só não estaria pronto para a revolução se tivesse alguma coisa a ganhar.

Um pouco de história: em 1832, quando o Parlamento aprovou uma importante reforma eleitoral (a Reform Bill, promovida pelo partido Whig), foi concedido à classe média o direito de voto.

Disraeli reagiu. Por temer que o direito de voto à classe média pusesse em causa os sucessos eleitorais futuros do seu próprio partido conservador, aliado tradicional da aristocracia terratenente?

Sem dúvida --o calculismo partidário não nasceu hoje. Mas o problema, para Disraeli, não era apenas partidário, era nacional. Ou, dito de outra forma, o que seria da Inglaterra se as classes trabalhadoras fossem deixadas para trás? Não seria preferível conceder também o direito de voto às classes trabalhadoras?

Uma pergunta dessas, entre os conservadores, era simplesmente blasfêmia: imaginar que um trabalhador braçal pudesse votar só poderia ser piada.

Pior ainda: como o sr. Karl Marx ensinava, alargar os direitos políticos ao proletariado era convidar para dentro de casa quem a desejava destruir.

A resposta de Disraeli foi simples e crucial: ninguém deseja destruir uma casa que também sente como sua.
Dito e feito: em 1867, Disraeli aprovou o Reform Act, que concedeu o direito de voto aos trabalhadores urbanos. A historiadora Gertrude Himmelfarb explica a importância do gesto em uma única frase: foi nesse ano que a democracia plena nasceu no Reino Unido.

Mas Disraeli não ficou por aqui: como lembra Peter Viereck em estudo que também lhe é dedicado ("Conservative Thinkers", um primor de concisão e erudição), Disraeli acabaria mais tarde por legalizar também os sindicatos; e o direito à greve; e o direito à constituição de piquetes pacíficos; para além de ter aprovado mil outras leis laborais que extinguiram, um por um, todos os focos potencialmente revolucionários no país.

Como explicar tudo isso? Como explicar, no fundo, que tivesse sido um conservador a depositar uma fé tão otimista nos marginais do sistema?

Opinião pessoal: porque Disraeli, apesar de todos os sucessos literários e políticos, sempre se sentiu um marginal na sociedade inglesa do século 19. Aos olhos dos seus pares, ele era o eterno "estrangeiro", o eterno "exótico", o eterno "judeu", apesar do batismo na fé cristã.

E não existe nada mais insultuoso para um "outsider" do que a ideia paternalista, seja de esquerda ou de direita, de que todos os "outsiders" são por definição selvagens e revolucionários.

Não são, disse Disraeli: eles também podem ser cavalheiros se forem tratados como cavalheiros. E só assim, tratados como cavalheiros, eles estarão dispostos a preservar, e não a destruir, a constituição de que fazem parte.

Foi essa a lição magistral que salvou a Inglaterra da revolução --e, claro, o partido conservador do esquecimento.

Que essa lição seja ignorada pela esquerda, não admira. Que ela seja ignorada pela direita, eis uma fatalidade que já causa maior espanto.

Fonte: Folha de São Paulo (15/10/2013)

domingo, 13 de outubro de 2013

Frankfurt

O escritor Luis Ruffato ao falar em nome dos escritores brasileiros na abertura da Feira de Frankfurt, na qual nosso país é o homenageado, ecoou o tema "Brasil, muitas vozes" dando ênfase mais às mazelas que às virtudes nacionais.

Desgostou a alguns, entre eles a ministra Marta Suplicy e o vice-presidente Michel Temer. Esse abandonou o discurso escrito que faria para num improviso destacar aspectos positivos da cultura e instituições  brasileiras.

Ruffato falou pouco de literatura a não ser para dizer que ela pode mudar a vida das pessoas como aconteceu com a sua. Ganhou aplausos dos terceiro mundistas alemães e instalou polêmica sobre a oportunidade de seu discurso.

Falou de literatura para dizer que ela tem o poder de mudar a vida das pessoas. Como aconteceu com a sua. De origem modesta, ascendeu socialmente para se instalar no panteon dos novos escritores brasileiros.
 Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 10/10/13, página E6

Escândalo

Manchete do jornal O Estado, edição de 10/10/13 :

Ameaça grave
Falta de insulina em postos pode levar diabéticos a óbito

Ha três meses, a medicação não é distribuida nos postos de saúde de Fortaleza. A Secretaria Municipal de Saúde afirma que os laboratórios estão desabastecidos da matéria prima, que é importada.

Bolsa família

Bolsa família beneficiou 2.168 políticos ilegalmente. Governo diz que todos, vereadores e prefeitos, tiveram benefícios cancelados.

Essa gente não tem jeito. Lembra o que aconteceu quando foi implantada a aposentadoria do trabalhador rural. Uma porção de gente aposentou-se sem nunca ter dado um dia de serviço no campo.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 12/10/13, página A10

Vinicius

Já bastante doente, Vinicius de Morais ao dar uma entrevista recebeu de chofre a seguinte pergunta da jornalista :

Você tem medo da morte ?

Resposta : Não, tenho saudade da vida.

sábado, 12 de outubro de 2013

Universidades

A USP (Universidade de São Paulo) foi rebaixada no ranking internacional que elenca as principais universidades. Ao perder 68 posições deixou de figurar entre as 200 melhores do mundo pela primeira vez nos últimos três anos.

Na lista do THE (Times Higher Education), publicação anual britânica divulgada desde 2004, a USP saiu da 158ª colocação para um grupo que vai do 226º ao 250º (a partir de 200 o ranking não traz informação específica, mas separada por grupos).

A Universidade de Campinas (Unicamp) também caiu de posição. Caiu de 251º - 275º para 301º - 350º.

O ranking é liderado pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia. Dos dez primeiros colocados 7 são dos Estados Unidos e 10 do Reino Unido.

O Brasil foi o único país a sair do grupo das 200 melhores no novo ranking.

Não há uma explicação clara para o reaixamento das duas universidades. Renato Pedrosa, da Unicamp, acha que nossas universidades não estão preparadas para fornecer dados aos responsáveis pela eleboração de rankings.

Já Phil Baty, editor do THE, atribui a queda ao baixo grau de internacionalização. Pouca produção em inglês, o que acarreta poucas citações de outros cientistas, e ausência de aulas em inglês.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 03/10/13, página C1 

Igreja

O papa Francisco volta a surpreender quando declara que a cúpula da igreja é a lepra do papado.. Denuncia uma cúria distante do rebanho, vaticanocêntrica, introspectiva e negligente com 1,2 bi de fiéis.

Dizendo não compartilhar com ela tudo fará para muda-la. A manifestação do papa foi feita em entrtevista concedida no dia em que começou a reunião do grupo que irá sugerir reformas na igreja, constituido por oito cardeais.

No Brasil o papa logo seria censurado pelos arautos do comportamento politicamente correto ao dizer lepra, e não hanseníase, expressão contemporânea adotada para indicar a milenar doença. No caso, não obstante serem sinônimas, a palavra empregada faz a diferença.

 Hanseníase atenuaria o impacto da inconformidade do pontífice com a atuação da alta hierarquia da igreja católica mais atenta aos interesses materiais do Vaticano enredada nas disputas pelo poder.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 02/10/13, página A14

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Cosntituição de 88

A nossa Consituição completa 25 anos. Foi a ponte para a transição entre o regime militar e o retorno à democracia. Instrumento eficaz para a realização pacífica dessa passagem.

Queixam-se alguns de sua extensão e detalhismo. Não teríamos concluido sua elaboração não fora assim. De um lado tratava-se de acolher direitos e aspirações populares ha muito reprimidas cujos setores interessados desejavam ver incluidos na nova carta magna.

De outro havia, e ainda há, uma desconfiança de que a maior garantia para cumprimento de uma norma é inclui-la na Constituição. Uma síntese disso é a afirmação corrente de que "existem leis que pegam e outras não."

Uma forma utilizada para superar impasses e permitir a continuidade dos trabalhos, utilizada com muita frequência, foi a previsão de leis para regulamentar dispositivos constitucionais.

Infelizmente o parlamento pouco tem feito em relação a isso com perdas sensíveis para fruição de direitos e observancia de normas previstas na Constituição. Cito uma : o direito de greve dos funcionários públicos.

Faria melhor nosso Congresso se em vez de aprovar emendas constitucionais que ampliam uma Carta já muita extensa aprovassem leis que disciplinem artigos por regulamentar. Segundo o jornal Folha de São Paulo, edição de 05/10/13, eles são em número de 125.

Contra essa indolência legislativa a própria Constituição se prevenira ao adotar o chamado mandado de injunção que permite ao STF, quando provocado, pedir a regulamentação de algo não regulamentado.

O fato faz de nossa Constituição, em suas bodas de prata, um documento inacabado.   

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Frankfurt

O Brasil é o país homenageado este ano na Feira do Livro de Frankfurt o maior evento mundial no gênero.

O Ministério da Cultura selecionou 70 escritores para representarem o país. Entre eles estava Paulo Coelho, um best seller internacional.

Mencionado escritor vem de anunciar sua desistência de integrar nossa representação. Fundamenta sua decisão na discordância com o critério adotado para escolher os autores que irão à Feira. Duvida que os 70 convidados sejam escritores. Desses, afirma só conhecer 20. Os demais, "presumivelmente, diz, são amigos de amigos de amigos. Nepotismo".

A entrevista de Paulo Coelho foi concedida ao jornal alemão "Die Welt". 

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 05/10/13, página E3

Marina

Se não temos o registro legal, temos o registro moral perante a sociedade.

Marina Silva.
(Sobre o indeferimento, pelo TSE, do registro de seu partido, Rede.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Ler, não importa onde


Ler, não importa onde II


Ler, não importa onde III


Ler, não importa onde IV


Ler, não importa onde V


Ler, não importa onde VI


Ler, não importa onde VII


Ler, não importa onde VIII


Ler, não importa onde IX


Ler, não importa onde X


Ler, não importa onde XI






Celular

Pela primeira vez, maioria das residências tem só telefone celular.

Em 2012, 51,4% das casas usavam telefone móvel para se comunicar, ante 49,7% em 2011. As casas com ambos aparelhos apresentam número estável. 

O crescimento no período foi de 5,9%. Os dados são da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios)  do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os resultados brasileiros reproduzem uma tendência mundial.

Saiba mais no jornal O Estado de São Paulo, edição de 28/09/13

Refinaria

Em entrevista à imprensa, Graça Foster, Presidente da Petrobrás, anunciou que espera incluir no próximo plano quinquenal (2014/2018) no ano que vem as refinarias Premium do Maranhão e do Ceará.

Segundo ela os projetos passaram a serem rentáveis após revisão feita por uma consultora americana. Graça revelou ainda estar em negociação de parceria com a chinesa Sinopec para a unidade do Maranhão, numa iniciativa que poderá se estender à do Ceará.

Saiba mais no jornal O Estado de São Paulo, edição de 28/09/13, página B8



quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Desamor

*Clique na imagem para ampliar.

Frase do dia

A internet não é a TV do futuro, é do presente.

Andrucha Waddington

Suicidio

É uma das primeiras causas de morte em homens jovens nos paises desenvolvidos e emergentes. Mata 26 brasileiros por dia. E ninguém quer falar no assunto.

No Brasil a taxa de suicidio entre jovens cresceu 30% em 25 anos.  A curva ascendente vai na direção contrária ao que acontece nos paises da Europa ocidental, Estados Unidos, China e Austrália.

No ranking mundial a liderança é da Lituania, 33,1 por 100.000 pessoas. Nosso país vem em 72º lugar com uma taxa de 5.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 11/06/13

sábado, 28 de setembro de 2013

A frase do dia

O escritor não transcreve a vida, inventa a vida.

Milton Hatoum

Piso

Os governadores se articulam para impedir o reajuste no valor do piso salarial dos professores para o próximo ano. Contra os 19% previstos pregam mudança na forma de cálculo da correção salarial.

Segundo a fórmula proposta pelos 27 governadores o aumento seria reduzido para 7,7%.

De acordo com CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) apenas quatro estados e o Distrito Federal cumprem integralmente a lei do piso.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 23/09/13, página C3.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

imagem

* Clique na imagem para ampliar
* Fonte: Jornal O POVO (Caderno Economia) - 14/09/2013

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Mensalão II

O mensalão por seus juizes :

Vou recomendar uma pizzaria a vocês.

Gilmar Mendes

Mensalão

O mensalão por seus juizes :

O STF não pode se expor a pressões externas, como aquelas resultantes do clamor popular e da pressão das multidões.

Celso de Mello

Zara

A Zara, empresa espanhola, bandeira do grupo Inditex, o maior varejista textil do mundo, não escapou do custo Brasil.

Dentre os 86 paises em que atua o nosso foi considerado o mais difícil. O desabafo foi feito pelo diretor para o Brasil em reunião em São Paulo com um grupo de investidores. O executivo queixou-se da burocracia, logística, tributação e mão de obra pouco qualificada.

A Zara chegou ao Brasil em 1999 como uma marca voltada para a classe A. Aqui a rede já conta com 41 lojas. A meta de implantar 40 unidades em seis anos só foi cumprida com mais do dobro do tempo previsto.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 22/09/13, página B1

domingo, 22 de setembro de 2013

Marina

Agora é confiar em Deus e na justiça.

Marina Silva, sobre a expectativa do registro de seu novo partido, a Rede, no Tribunal Superior Eleitoral.

Autonomia

Há tempos a Escócia alimenta a ideia de se separar do Reino Unido e se constituir como um país independente. Há razões históricas e culturais que alimentam a pretensão separatista. Concessões já foram feitas que conferiram à região certa autonomia. Para alguns isso não basta.

Pesquisas recentes informam que o apoio à independência da Escócia caiu entre os escoceses e aumentou entre os ingleses.

23% dos escoceses em 2013 desejam ficar independentes da Grã-Bretanha contra 30% em 2006. Já entre os ingleses o percentual subiu de 19% em 2000 para 25% agora.

60% dos escoceses preferem a opção atual, a descentralização. Em 18 de setembro de 2014 a população terá a oportunidade de pronunciar-se sobre a independencia.

Pelo jeito irão preferir manter a Escócia como uma das entidades constituintes da Grã-Bretanha ao lado da Inglaterra, Gales e Irlanda do Norte como dispõe o Ato de União de 1707.

Saiba mais no jornal O Estado de São Paulo, edição de 11/09/2013

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Imagem

Fonte: Folha de S.Paulo - 1º/09/2013

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Felicidade

Perseguir o interesse próprio foi a grande propaganda do último século. Entretanto, ser humano não é apenas perseguir os desejos individuais. A ideia de felicidade ocidental falhou.

Roman Krznaric, filósofo, um dos fundadores da The School of Life  

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Fábulas morais II

O gato que convidou os pássaros para um jantar

Um gato fez de conta que ia comemorar seu aniversário e convidou pássaros para um jantar. Em seguida, ficou de lado observando e, quando todos já tinham entrado, fechou a porta. Então começou a devora-los, um por um.

Esta fábula cai bem para aqueles que se entregam a uma alegre expectativa e vivenciam o contrário.

Transcrito da Folha de São Paulo, edição de 01/09/13

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Imagem


Homicídios ocultos

A reportagem do jornal o Povo de 06/08/2013, (http://www.opovo.com.br/app/opovo/cotidiano/2013/08/06/noticiasjornalcotidiano,3105758/em-15-anos-2-6-mil-homicidios-deixaram-de-ser-contabilizados-no-ce.shtml) aponta que mais de 2,6 mil homicídios não foram contabilizados pelas estatísticas oficiais do Estado entre os anos 1996 e 2010, segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea),

O grande erro do estudo do diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia (Diest) do Instituto, Daniel Cerqueira, é o de chamar esse números de "Mapa de homicídios ocultos”.
Se os próprios órgãos públicos de saúde ou de perícia forense não tiveram como assim caracterizá-los, como um estudo de um economista poderia taxativamente assim defini-los?

Além disso, mesmo que parte desses casos possam, efetivamente, ter sido homicídios, não há  como considerar isso na sua totalidade, vez que para chegar aos dados, o pesquisador utilizou somente informações do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde que somente faz a aferição dos eventos violentos com desfechos fatais, sem cruzá-los com informações as SENASP/MJ e das Secretaria de  Segurança Pública estaduais.

Acontece que somente quem pode caracterizar se tal morte violenta foi fruto de homicídio, suicídio, acidente (afogamento, queda, etc.| ou mesmo por causa natural e a investigação policial, lastreada por laudos técnico científicos (cadavéricos, de local de crime ou, ainda, do Serviço de Verificação de Óbitos).

Um acidente pode ser de causa de aparente violência ou não. Cabe à perícia forense periciar as mortes violentas e o inquérito é que avalia se foi homicídio, suicídio, acidente, etc.
Ademais, dizer também que a metodologia da polícia (de colher os dados) não é consistente, transparente e estatisticamente confiável não reflete a realidade do Ceará, vez que desde 1995 que todos mortos são minuciosamente catalogados e os  laudos emitidos pela Perícia Forense  sempre buscam apontar as causas determinadas, e quando pendentes, a investigação do inquérito policial busca definir se fruto de homicídio  ou não.
Nos casos das mortes por motivação desconhecida, caberia ao Serviço de Verificação de Óbitos da Secretaria da Saúde do Estado tentar, preliminarmente, identificar a causa mortis e, ao  suspeitar que é fruto de causas não naturais, remeter o corpo para o IML, para que seja feito o laudo pericial.

Ocorre que, em todo o  Estado do Ceará somente existe um SVO, localizado em Fortaleza.
Desse modo, de fato, muitas dessa mortes por motivo desconhecido devem permanecer no limbo, sem que se possa, taxativamente considerar como "homicídio oculto".

Imagine o que não acontece Brasil a fora?

Dívida pública

A dívida pública dá sinais de que volta a crescer. Com o aperto da política monetária para controlar a inflação a despesa financeira aumenta com a elevação dos juros.

União, estados e municípios pagaram a seus credores, nos doze meses encerrados em julho, o equivalente a 4,9% do PIB, ou R$ 227 bilhões.

O patamar está entre um dos menores desde o plano real, mas mostrou a primeira elevação em um ano e meio.

O aumento da taxa básica de juros, a emissão de títulos e a elevação do dólar determinam o crescimento da dívida.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 01/09/13, página B7

Fábulas Morais I

A lebre dentro do poço e a raposa

Uma lebre sentiu sede e desceu num poço para beber da água. Após haver se fartado da deliciosa bebida, ia sair de lá quando se deu conta de que estva confinada, pois não tinha como galgar a subida, e começou a ficar apreensiva. Nisso, uma raposa veio ter ali também e, ao deparar com ela, disse: "Realmente você se meteu numa grande enrascada! Pois devia primeiro resolver como iria sair do poço e, só depois, descer dentro dele".

Esta é uma fábula de Esopo que denuncia os que não pedem conselhos e tomam atitudes voluntariosas.

Transcrita da Folha de São Paulo, edição de 01/09/13

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Retrato

O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Não há princípio que não seja desmentido nem instituição que não seja escarnecida. Já não se crê na honestidade dos homens públicos. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. Os serviços públicos abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta a cada dia. A ignorância pesa sobre o povo como um nevoeiro. A intriga política alastra-se por sobre a sonolência enfastiada do país. Não é uma existência;é uma expiação.

Eça de Queirós, sobre o Brasil, há cem anos.

Casas

No Ceará residências do programa Minha Casa Minha Vida, não estão ao alcance dos selecionados mas sim dos que chegam primeiro.

Reportagem do jornal Folha de São Paulo, edição de 25/0813, revela que em Fortaleza e Porto Seguro crime organizado "manda em condomínios do Minha Casa Minha Vida.

A matéria cita o conjunto habitacional do entorno do Rio Cocó no qual após a invasão são comuns operações policiais para apreensão de armas e prisões de traficantes.

O conjunto está com 70% das obras concluidas já tendo consumido R$ 30,00 milhões. Funcionários da construtora que ocupavam um barracão foram "convidados" a retirarem seus equipamentos antes que fossem destruidos.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Leitura

 
Para ampliar clique sobre a imagem

domingo, 25 de agosto de 2013

Cerveja

Relembrando momentos que vivemos com meu pai, pensamos que gostaríamos de fazer uma homenagem a ele. Por que a gente não faz uma cerveja ?

Sandro Gomes, filho do humorista Mussum (1941-1994), sobre a ideia de lançar a cerveja Biritis que trará no rótulo o rosto do ex-Trapalhão.

Inovação

É bom que os contribuintes saibam. E o estado deixe de ser visto apenas como um obstáculo caro e ineficiente.

A professora Mariana Mazzucato, da Universidade de Essex (Reino Unido), autora do livro The Entrepreneurial State : Debunking vs,.Private Sector Myths ( O Estado Empreendedor, Desmascarando Mitos do Setor Público vs Privado) demonstra que grandes inovações ocorreram graças ao financiamento do estado.

Segundo ela, Google, internet, GPS, as tecnologias que tornam um iPhone "inteligente, foram financiadas pelo governo americano através das forças armadas e agências voltadas para a pesquisa e a inovação.

A autora defende a tese de que a iniciativa privada não dispõe de capital suficiente para investir nessa área embora seja a primeira a se apropriar das descobertas para realizar lucros. Assim é preciso prestar mais atenção nesse papel do estado vendido como um vilão do progresso e do avanço tecnológico.

O sistema seria parasitário tocando os riscos ao estado enquanto os elementos de lucro são no geral privatizados.

Vale a pena refletir sobre isso. Se você não quiser esperar pela chegada do livro ao Brasil sua editora é a Anthem Press e o preço é US$ 18,95.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 18/08/13

Kombi

A Kombi chegou ao fim da linha. O "pão de forma", como era conhecido o utilitário, deixa as ruas brasileiras 64 anos depois de iniciada sua fabricação na Alemanha.

O Brasil era o último país a manter uma linha de montagem do veículo.

Para assinalar o fim da produção a VW lança uma última série composta de 600 unidades numeradas, com placas de identificação, ao preço de R$ 85,00 mil. As principais características serão :

1 - pintura bicolor, estilo saia e blusa (azul e branco)

2 - os bancos de vinil que repetem os tons da carroceria

3 - os adesivos 56 anos nas laterais e as laternas transparentes

Ao todo foram comercializados no país, segundo o fabricante, 1,5 milhão do furgão.

Com ela desaparece um dos itens da minha memória. Antes de ter carro, nos tempos de estudante, usufria, alternadamente, das Kombis de meus tios Adelino Otávio que confiavam em entrega-las ao sobrinho.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 15/08/13, página B7

Desmatamento

Em 2010 o Incra foi responsável por 30% dos desmatamento. Em 2004 esse índice era de 18%.

Acusado em 2012 de ser o maior desmatador da Amazônia o Incra está para assinar um acordo com o Ministério Público Federal se comprometendo a reduzir em 80%, até 2020, o percentual de derrubada de florestas em assentamentos de reforma agrária.

Em troca serão extintas sete. ações ajuizadas pelo MPF pedindo a condenação do órgão por danos ambientais. Ds sete, já foi condenado em três.

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 06/08/13, página E2

Empresas

Segundo pesquisa da consultoria e corretora de seguros Aon a mudança no marco regulatório e e na legislação é o principal risco apontado para os negócios das companhias.

Sãos estes os principais riscos que podem afetar os negócios :

1 - Desaceleração econômica ou recuperação lenta.

2 - Alterações regulatórias ou legislativas

3 - Concorrência crescente

4 - Danos à reputação ou à marca

5 - Insucesso em atrair ou reter grandes talentos

6 - Insucesso em inova ou atender as necessidasdes do cliente

7 - Interrupção dos negócios

8 - Risco do preço de matérias primas (commodities)

9 - Risco de fluxo de caixa ou liquidez

10 - Riscos políticos

Saiba mais na Folha de São Paulo, edição de 06/08/13, página B5

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Urbanismo

Sob o título Enquanto parques agonizam reformas ficam apenas no papel, o Diário do Nordeste, edição de 19/08/13, traz matéria mostrando o abandono em que se encontram parques da nossa cidade.

A notícia menciona os parques Rio Branco, Parreão, Adahil Barreto o Raquel de Queiroz "cuja implantação foi prometida há mais de dez anos. Sobre esse último o atual governo comete criminosa omissão.

Grande parte da área, que pertencia ao Instituto Rocha Lima, foi desapropriada por mim quando governador. Um espaço verde com uma capela e instalações do antigo Asilo de Menores que desde muito poderia estar sendo útil à população.

Devemos reconhecer que há um problema grave em relação aos nossos espaços urbanos. Deterioram-se rapidamente por falta de manutenção e vigilância acrescidas da leniência dos gestores quanto à utilização por agentes privados em ofensa às normas para seu uso.

Grandes somas são investidas em obras que embelezam a cidade e são úteis ao povo. Os exemplos, recentes e antigos, se sucedem : Passeio Público, Cidade da Criança, Calçadão da Avenida Beira-Mar, Praça José de Alencar, Lagoa do Opaia e assim poderíamos elaborar um enorme lista.

Reformas se sucedem, importando em somas vultosas, sempre seguidas de rápida degradação dos logradouros. Não sei até quando isso irá continuar assim. Desalentado não vejo sinais de mudança.