quarta-feira, 8 de março de 2017


É evidente que no jogo político é visto como natural um partido da oposição dificultar a vida a um partido no poder. É igualmente evidente que esta prática reiterada parece legitimar quem, tendo estado no poder, faz agora o que lhe fizeram no passado. A coerência das ideias não é vista como uma virtude, é mais valorizada a coerência na ação, dependendo do lugar em que os políticos se encontram em cada momento. Presos à maquiavélica ideia de que "os fins justificam os meios", na política caseira vale tudo.É legítimo que o PSD de Pedro Passos Coelho vote contra a descida da TSU para os patrões, que sustenta o acordo de concertação social para a subida do salário mínimo? Sim, mas não escapa à comparação com o passado recente, em que defendeu a descida desta taxa nas empresas. Pode o PS esperar que o PSD esteja sempre disponível para lhe dar a mão, quando falham os seus parceiros de esquerda? Não, mas não é nestas matérias que o PSD fará perigar a geringonça.Os social-democratas alegam que a descida da TSU que colocaram em anterior concertação social tinha outros pressupostos no valor da subida do salário mínimo, mas o que querem votar ao lado da esquerda é o mérito de reduzir a TSU às empresas. Sendo evidente, por isso, que a intenção de Passos Coelho é apenas afirmar a sua liderança e não discutir as virtudes do acordo de concertação social, o líder do PSD menoriza-se quando pretende agigantar-se. Não é no interior dos partidos que os líderes primeiro encontram o isolamento, ele começa fora. Passos terá medido as consequências de ter contra si as confederações patronais e a UGT? Não me parece!A pequena política, a que hipoteca convicções, procurando ganhos conjunturais, não assegura grandes futuros. Pedro Passos Coelho ainda tem escapatória. Demonstrada a fragilidade política da coligação que o PS fez com os seus "amigos da esquerda", o PSD não pode trocar de lugar com os socialistas nessa coligação. Precisa de viabilizar a descida da TSU, pela abstenção que seja, para ganhar espaço para outros combates. O sistema financeiro que continua por resolver e a dívida portuguesa que começa a regressar a juros proibitivos exigem uma oposição mais eficaz no escrutínio às políticas econômicas do governo. A política tem muitos caminhos, mas alguns não levam a lado nenhum.


Fonte: Dário de Notícias - Domingo, 15 de janeiro de 2017.


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Entrevista Diego Rosselli

Todo paciente tem um preço, afirma farmacoeconomista

(Diego Rosselli em congresso na Costa Rica)

Todos nós temos um preço, afirma o especialista em farmacoeconomia Diego Rosselli. Para o presidente da Sociedad Internacional de Farmacoeconomia e Investigación de Resultados, na Colômbia, "devemos saber que os recursos são limitados e ver o quanto podemos pagar por isso".
Para Rosselli, que palestrou no Roche Press Day, na Costa Rica, no último dia (7), tanto o governo quanto os usuários do sistema de saúde devem entender as dimensões econômicas de cada decisão na área.
Em outras palavras, é necessário entender o quanto vale investir em um ano a mais de vida de um paciente, em vez de observar apenas os custos do tratamento.
*
Folha - O que é preciso saber de farmacoeconomia pra não tomar decisões erradas?
Diego Rosselli - Uma das coisas que temos que colocar como objetivo é que cada um dos agentes que participam das decisões em saúde tenha conhecimento para negociar. E o paciente tem que conhecer as informações dos custos da enfermidade, os custos de não tratar a doença, os conceitos de custoefetividade para comparar uma doença à outra.
Todos nós, individual ou coletivamente, temos um preço?
Sim. Devemos saber que os recursos são limitados e ver o quanto podemos pagar por isso. Todos temos um preço.
O senhor fala de diferenciar os custos diretos, indiretos e intangíveis. Quais são eles?
O custo direto vem daquilo que tem preço, como um medicamento, uma diária em um hospital, o custo de deslocamento de levar um paciente de um lugar a outro.
Um custo indireto é o custo da produtividade de uma pessoa, de um dia em que não vai trabalhar ou do dia em que vai trabalhar mas não consegue trabalhar bem. Pode ser o caso de um cuidador, da pessoa que se aposenta cedo por invalidez.
Há um problema aí: os custos diretos podem ser parecidos para ricos e pobres, mas os custos indiretos são injustos com os pobres. Um escandinavo com artrite reumatoide que continua trabalhando consegue pagar um remédio que custa mil dólares todo mês. Agora, um trabalhador brasileiro dificilmente conseguiria isso com seu trabalho.
Já os custos intangíveis são mais difíceis de quantificar. São os custos da dor, da ansiedade. Se um médico pede um exame de sangue e constata que você tem HIV, e você está se sentindo bem, ainda assim há um custo pelo fato de você ter descoberto isso.
É mais difícil ainda se falarmos de morte. Perder um filho é uma experiência tão dolorosa que chega a ser difícil colocar um custo, e a sociedade valora isso de maneira diferente. Se alguém morre aos 12 anos, significa que algo de errado ocorreu.
Parece frio esse olhar matemático diante de uma doença. Ou mesmo uma política pública em que o governo tenha que dizer "então, a partir de 70 anos não vamos pagar tal remédio". Como chegar a um denominador comum?
Estávamos reunidos com um grupo de transplantados, falando sobre transplante de rim. Discutíamos uma situação em que há apenas um rim disponível e dois pacientes que precisam dele, um de 21 anos e outro de 70. A quem daríamos o rim? O Presidente da Associação Colombiana de Transplantados, que tem cerca de 70 anos, disse "isso não é justo, paguei meus impostos a vida inteira". Então, ele já teria pago por esse rim, e o de 21 anos, não. Com o envelhecimento das nações, esse é um problema que veremos cada vez mais.
Imagine que você tem 70 anos, dois filhos, seis netos. Vocês têm uma casa familiar, um carro, um capital de alguns milhares de dólares. Se você adoece e dizem que você tem que pagar US$ 50 mil pelo tratamento para que viva alguns anos a mais, é preciso refletir. Essa é uma reflexão que exige que aceitemos a morte, que é um passo importante na nossa cultura.
Então, mesmo o custo da cura deve ser sustentável?
Sim, penso que sim. Creio que um dia vamos chegar a estabelecer um valor a uma pessoa, como em casos de câncer de pulmão, que tem um custo alto.
E se a pessoa nunca fez esforço para deixar de fumar e isso culminou em um tumor? Com que direito ela quer que paguemos US$ 50 mil pelo seu tratamento? É um valor diferente de uma pessoa que fez esse esforço para parar de fumar. Devemos valorar isso um dia?
E como levar essa discussão para as políticas públicas?
Não há nenhum país que tenha conseguido isso. Quando falamos de PIB per capita do Brasil, há uma diferença entre Estados, entre o Rio Grande do Sul e o Amazonas. Não há país que tenha incorporado isso, essa forma de tratar as pessoas como se não valessem o mesmo. Mas há razões para imaginar que, um dia, isso pode mudar.
Quais as dificuldades para um país em crise como o Brasil?
O Brasil tem um grande problema, que é o seu tamanho. É grande em geografia, em diversidade. Se você pensar em Uruguai, em Costa Rica, fica mais fácil decidir para uns poucos milhões.
Uma coisa que está nascendo no Brasil e em outros países latino-americanos é o chamado "risco compartilhado" –quando um remédio entra no mercado, mas num regime condicionado.
Um novo mecanismo pode ser um sistema em que se paga pelo paciente que responde ao tratamento. Agora o Brasil tem problemas para resolver, como a crise e os Jogos Olímpicos do Rio. Depois, podemos voltar a conversar.
-
RAIO-X - DIEGO ROSSELLI
Formação
Médico pela Universidade de Rosario e mestrado em ciências pela London School of Economics e em educação em Harvard

Trajetória
Professor na Pontifícia Universidade Javeriana (Colômbia); diretor de desenvolvimento científico e tecnológico no Ministério da Saúde do país (1993-1996)

A jornalista viajou a convite da Roche e integrou o 4º Programa de Treinamento em Jornalismo de Ciência e Saúde. 


Fonte: Folha de S. Paulo (Saúde+Ciência) - 23/07/2016

Desperdício nababesco

Nas faculdades de medicina o preço dos tratamentos é ignorado

É nababesco o desperdício de exames no Brasil. No consultório, canso de ouvir a frase: "Doutor, já que vou colher sangue, pede todos os exames, tenho plano de saúde". Nos atendimentos na Penitenciária Feminina de São Paulo, a mesma solicitação, com a justificativa: "Tenho direito, é o SUS que paga".
Fico impressionado com o número de exames inúteis que os pacientes trazem nas consultas. Chegam com sacolas abarrotadas de radiografias, tomografias computadorizadas, ressonâncias magnéticas e uma infinidade de provas laboratoriais que pouco ou nada contribuíram para ajudá-los.
Num dos grandes laboratórios da cidade, mais de 90% dos resultados caem dentro da faixa de normalidade. Numa das operadoras da Saúde Suplementar, pelo menos um terço das imagens realizadas junta pó nas prateleiras, sem que ninguém se dê ao trabalho de retirá-las.


São múltiplas as causas dessas distorções. Nas consultas-relâmpago em ambulatórios do serviço público e dos convênios, os médicos se defendem pedindo exames que poderiam ser evitados caso dispusessem de mais tempo para ouvir as queixas, o histórico da doença e examinar os pacientes.
Para solicitar ultrassom ou tomografia para alguém que se queixa de dores abdominais, basta preencher o pedido. Dá menos trabalho do que avaliar as características e a intensidade da dor, os fatores de melhora e piora, e palpar o abdômen com atenção.
Como regra, o paciente sai da consulta confiante de que as imagens revelarão o que se passa no interior de seu organismo com muito mais precisão do que o médico seria capaz de fazê-lo.
O problema é que muitas vezes o exame será marcado para semanas ou meses mais tarde, porque os serviços de imagem ficam sobrecarregados com o excesso de demanda. A demora prejudicará sobretudo aqueles em que há urgência para chegar ao diagnóstico, deixados para trás pela enxurrada de pedidos desnecessários.
As operadoras de saúde, que hoje se queixam da infinidade de exames subsidiários que encarecem as contas a pagar, esquecem que até há pouco faziam comerciais na TV que mostravam resgates por helicóptero e exibiam aparelhos de ressonância para convencer os usuários de que ofereciam serviços de qualidade.
Nós, médicos, colaboramos decisivamente para aumentar o custo da medicina: é de nossos receituários que partem as solicitações. Fazemos a vontade dos que nos pedem "todos os exames", pedimos provas laboratoriais sem pensar na relevância para o caso e nos damos ao luxo de solicitar exames e prescrever medicamentos sem ter noção de quanto custam.
Nas faculdades de medicina ninguém fala de dinheiro. Os estudantes não recebem noções elementares de economia e o preço dos tratamentos é ignorado como se vivêssemos em outro planeta.
Nos hospitais-escola, o descompromisso com a realidade econômica é universal. Com o argumento de que os internos e residentes precisam aprender, ficam justificadas as imagens mais exóticas e a repetição diária de dosagens de íons, provas de função renal e hepática, hemogramas, glicemias e o que mais passar pela cabeça dos plantonistas das UTIs e das unidades semi-intensivas.
É preciso entender o óbvio: os recursos públicos destinados à saúde são insuficientes. Eles não vêm do governo, saem dos impostos pagos por nós. Cada vez que somos atendidos pelo SUS, fazemos uso de uma parte do dinheiro que é de todos, e se o gasto for exagerado muitos ficarão em desvantagem. É bem provável que sejam os mais necessitados.
Nos planos de saúde acontece o mesmo, com uma diferença: o preço da mensalidade aumenta para todos. É simples assim. Hoje, os gastos com saúde das empresas constituem a segunda despesa mais alta do orçamento anual, só perdem para a folha de pagamento.
O SUS e a Saúde Suplementar estão diante do mesmo desafio: como reduzir os custos. Sem fazê-lo, ambos sistemas se tornarão inviáveis antes do que imaginamos.
A viabilidade do SUS e da Saúde Suplementar não será alcançada por meio de ideologias, mas com medidas práticas que reduzam os custos da assistência médica e com intervenções preventivas para evitar que as pessoas fiquem doentes.

Fonte: Folha de São Paulo (Ilustrada / Drauzio Varella) 26/11/2016

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016


Agradeço o comparecimento do Senador José Pimentel
 ao lançamento de minha obra na Biblioteca Digital do Senado.
 O único Senador cearense a se fazer presente.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

terça-feira, 8 de novembro de 2016

A política das ruas

Persistiram os patriotas, hibernaram os autonomistas, 
acordaram os socialistas.
(Angela Alonso)



Desde 2013, o Brasil vive conjuntura de crise. Forças sociais puxam o país em direções opostas em jornais, sites, tribunais, Parlamento e na rua.
O período é curto, mas se quebra em três ciclos de protestos. Do primeiro ninguém esquece, o fatídico junho de 2013, que pegou governo e partidos de calças curtíssimas. De bate-pronto, muitos exaltaram o nascimento de movimento progressista. Mas a cena era mais complicada —antes um mosaico de pequenos movimentos independentes, distribuídos em dois grandes campos.
Grupos autonomistas, puxados pelo MPL, deram a ignição, com protestos performáticos (catracas queimadas), horizontalismo (negação da hierarquia de gênero e de liderança política), estética anarquista e símbolos das manifestações por justiça global, com defesa de práticas autossustentáveis, comunitárias e libertárias.
Atarantados, os movimentos sociais de viés socialista engrossaram. Linha de frente dos protestos desde a redemocratização, trouxeram seu roteiro de costume: bandeiras vermelhas, tônica redistributiva, organização vertical.
Essas duas frentes à esquerda ganharam companhia. Emergiu um campo de manifestantes independentes, sem coordenação ou experiência política, atraídos pela internet ou pelo noticiário. Mais expressivo que propositivo, içou a bandeira nacional. Cartazes, roupas, pinturas faciais recuperaram os símbolos nacionalistas dos movimentos pela redemocratização e pelo impeachment de Collor.
Eis o resumo de 2013: três grupos repartidos em dois campos polares. Nas trincheiras autonomista e socialista, demanda por expansão e melhora de políticas sociais, transporte, saúde, educação. No front patriota, críticas à hipertrofia e ineficiência do Estado, aos políticos e retomada da divisa do Fora Collor: "ética na política".
Embora se dissessem apartidários, orientaram-se todos pelo sistema político, postando-se à esquerda ou à direita do governo do PT. A efetiva novidade de 2013 foi que à mobilização por expansão de direitos, usual desde a redemocratização, juntou-se clamor liberal, pró-mercado, anti-Estado.
Esse campo patriota ganhou ossatura e volume num segundo ciclo de mobilização em 2014, enquanto socialistas e autonomistas esmaeciam. Três associações lideraram os eventos: a liberal Vem pra Rua, o Movimento Brasil Livre, mais à direita, e, no extremo, o Revoltados On Line. Em março de 2015, 54 grupos similares se albergaram na Aliança Nacional dos Movimentos Democráticos, fincada em Estados tucanos, sobretudo São Paulo, e com suporte do empresariado.
O foco se fechou na contestação ao governo Dilma, expressa em retórica moralizadora de dois sentidos: a afirmação da moralidade pública (anticorrupção) e o moralismo, reiteração de valores da sociedade tradicional (como pátria, religião, família), óbvios nos atos encerrados com rezas e hino nacional.
Farpas contra "políticos em geral" confluíram na demanda por impeachment da presidente. E a pasteurização levou à busca de lideranças fora da política profissional. Na mesma operação simbólica em que Lula virou Pixuleco, o juiz Moro sagrou-se salvador da pátria.
O terceiro ciclo explodiu mais recentemente, quando a rua passou a objeto de disputa. Persistiram os patriotas, hibernaram os autonomistas, acordaram os socialistas. Os aliados tradicionais do PT, os sindicatos, e duas novas coalizões, a Frente Povo sem Medo (cerca de 30 movimentos) e a Frente Brasil Popular (com mais de 70 organizações), recuperaram a pauta petista dos anos 1980: defesa do Estado de direito ("não vai ter golpe"), pró políticas sociais e combate ao oligopólio dos meios de comunicação ("o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo"). Essa foi a linha dos atos anti-impeachment e em desagravo a Lula.
O que nasceu junto-e-misturado decantou em campos apartados: um anti-PT, outro antigolpe. A cerca invisível de 2013 virou muro de concreto nas votações do impeachment na Câmara e no Senado.
Ao longo desses ciclos de protestos, o protagonismo nas ruas deslizou da nova esquerda autonomista para a nova direita patriota, com a esquerda socialista desafiada pelos dois lados.
O fim do processo institucional do impeachment remata essa febre de manifestações?
O efeito dos protestos em sequência é que o novo governo nasceu em sociedade mobilizada. O campo socialista não o reconhece e segue ebulitivo. Já os patriotas se recolheram, uma vez atingido o objetivo de desalojar o PT do poder. Mas não celebraram Temer.
Os dois campos tomaram o espaço público para criticar o governo em 2013 simultaneamente, mas por razões diferentes. Tampouco precisam de pauta positiva compartilhada para tornar a fazê-lo. Basta um inimigo comum. A vaia que recebeu na Olimpíada sinaliza que Temer é bom candidato ao posto.

Fonte: Folha de S. Paulo, ilustríssima, 25/09/2016.