terça-feira, 13 de novembro de 2007

Perplexidade

* Artigo publicado no jornal Diário do Nordeste, em 13/11/07

Perplexidade. Não poderia ser outro o sentimento diante da decisão infeliz, anunciada pelo Governo do Estado, de construir o Centro de Eventos e Feiras na Avenida Washington Soares, onde já funciona o antigo Centro de Convenções.

No blog que editamos, afirmei ser aquela uma solução pífia. As conseqüências do equívoco merecerão no futuro próximo adjetivos bem mais fortes, caso insista o Governo em levar adiante uma decisão que já surge condenada pela consistência da cidade.

O local escolhido jamais seria sequer cogitado, caso fosse o assunto tratado como deveria. A decisão não só ignora estudo profundo, contratado pelo Governo no passado, como irá provocar problemas incontornáveis no tráfego em área já congestionada. Não fosse o bastante, o local traz ainda enorme risco de dano ambiental para o ecossistema do Rio Cocó.

A Prefeitura de Fortaleza tem uma grave responsabilidade em relação à autorização para construir o empreendimento. É de esperar que, por coerência, a Prefeita se posicione, pois tem se revelado sensível ambientalista, invocando até mesmo a drástica medida de um plebiscito para cassar licença já concedida a um edifício comercial às margens do mesmo manancial. A sociedade deve esperar que outras vozes se manifestem.

É sabido que o projeto inicial, com localização prevista para o Poço da Draga, foi gestado nos governos do PSDB, aliado do atual Governo, mas que deverá se posicionar sobre o assunto consoante suas convicções.

Outros parceiros políticos do Governador deverão se posicionar com a mesma preocupação que sempre manifestaram tanto em relação à preservação do Cocó quanto aos transtornos de tráfego naquela avenida. A escolha é infeliz em si mesma. Mas há algo ainda mais grave na forma como foi adotada, reveladora de uma preocupante tendência do atual Governo em optar por métodos autocráticos de decisão sobre questões com grande repercussão na sociedade.

Aguardamos que tenha o Governo a boa inspiração de recuar na escolha, buscando outra opção, que traga, sem prejuízo do meio ambiente, o desenvolvimento e as oportunidades que todos almejam para o Ceará.

6 comentários:

Célio Ferreira Facó disse...

A DESORDEM urbana das grandes metrópoles, promovida sobremodo pela desigualdade social e a má distribuição de renda, pode ainda ser EXACERBADA pela decisão atabalhoada de administradores incapazes de ver a cidade como um espaço democrático de convívio e usufruto da cidadania. De esperar que o poder público soubesse e quisesse espraiar pelo seu território os equipamentos da modernidade. Grandes obras públicas servem como pólos civilizadores, aptos a atrair o progresso, nivelar a freqüência de cada zona, lugar e dissipar os pontos de estrangulamento. Este o desafio da moderna arquitetura urbana. A exercer-se sobretudo como arte democratizadora dos acessos. Nada disso pudemos depreender agora da decisão do Executivo Estadual de localizar nas bordas da Washington Soares o novo Centro de Feiras e Diversões. Via mal elaborada, perigosa, de severos prejuízos no trânsito de carros e de pessoas, saturada para novos movimentos. Fortaleza é tão grande, oferece muitas melhores opções ao Governo Estadual, o qual devia ser capaz de maior interação, diálogo com a cidadania, os cidadãos. Estudos anteriores, elaborados neste sentido, foram até agora solenemente desprezados pelo atual Governo do Estado.

Anônimo disse...

Dr. Lúcio,

Autocracia, autoritarismo, oligarquia e hipocrisia, tudo cabe no atual governo. Não fosse isso um penico cheio, ainda temos que conviver com incompetência, inoperância, improvisação e falta de rumo nesta gestão.

Não me surpreende. Eu já esperava. Quando começaram os mega eventos na praia das fontes, com centenas de participantes dormindo e comendo às nossas custas e enchendo o rabo de cana, eu já sabia que o resultado não podia ser outro.

Só lamento que o trajeto diário de quem mora pras bandas da Água Fria, que já é conturbado pelo trânsito sufocado da Antônio Sales até as 6 Bocas, vá piorar e muito.

E a prefeita, vai entrar muda e sair calada nesta questão? Cadê a valentia pra defender o Cocó? É só quando convém, é? Aquele fuá todo com o outro empreendimento privado era só encenação pra perseguir adversário político, era?

É osso!

Cris

Anônimo disse...

Vamos classificar tal iniciativa, entre outras, de atendimento aos anseios dos proprietários de imóveis naquela área. Ali não há mais necessidade deste inchaço urbano, em detrimento de outras regiões da cidade carentes de alguma âncora para um melhor desenvolvimento. A cidade inclina-se somente para as zonas da aldeota e outros bairros adjacentes mais a leste, esquecendo as regiões oeste e sul. Seria uma ótima oportunidade para inserir e propiciar o desenvolvimento de uma outra área carente de Fortaleza.

josé sales disse...

É isto aí, Dr. Lúcio Alcantara. Requalificação urbana, preservação do Centro Histórico, inserção de novos equipamentos potencializadores e recuperação ambiental, só margem esquerda do Rio Acaraú, na Área Central de Sobral. Por aqui estes princípios e conteúdos foram colocados de lado, com esta "solene decisão" de reconcentrar tudo e mais um pouco, na solicitada Av. Washington Soares.

josé sales disse...

Da parte da Prefeitura Municipal de Fortaleza, a novidade é que irão contratar logo mais, nos próximos 395 dias, que faltam para a finalização do mandato da Prefeita Luizianne Lins,um urbanista para dar conteúdo a proposta de desapropriação do conjunto de edificações da orla marítima da Praia de Iracema. Se não houver nenhum urbanista disponível ou bem disposto a tal tarefa, pode ser mesmo um elaborador de layouts do Jornal O POVO. O Plano de Requalificação Urbana da Praia de Iracema, pelo que foi apresentado é inédito em termos de metodologia de abordagem e soluções e "perigas" ser escolhido pela próxima Edição 2008, do Premio Rodrigo Mello Franco de Andrade/ IPHAN.

Anônimo disse...

Dr. Lúcio,

O próximo escândalo do governo Lula chama-se PRONAF.
Uma pequena amostra pode ser vista em http://pronaf.blogger.com