sexta-feira, 8 de maio de 2009

Reflexões

De Schopenhauer:

1- Seria bom comprar livros se fosse possível comprar junto com eles, o tempo para lê-los, mas é comum confundir a compra de livros com a assimilação de seu conteúdo.

2- Exigir que alguém tivesse guardado tudo aquilo que já leu é o mesmo que exigir que ele ainda carregasse tudo aquilo que já comeu.

3- Há duas histórias: a política e a da literatura e da arte. A primeira é a história da vontade, a segunda, a do intelecto.

6 comentários:

Célio Ferreira Facó disse...

Redizendo.
1. É como quem, compondo a decoração da casa, apressado, manda encher de livros o espaço de 80 centímetros na prateleira da estante recém instalada na sala. Já os seus próprios neurônios podem ficar cada vez mais ociosos.


2. Tão salutar é esquecer quanto guardar, relembrar. Jorge Luís Borges compôs contos em que a personagem sofre se não esquece.


3. E ambas vem a ser a história do espírito humano, seu arrastar, adejar, sobrevoar na baixa superfície do planeta. Cidades, Estados e constituições como metáforas concretas dos contos, dos romances, da poesia.


Um senso comum muito lamentável quer atribuir a Schopenhauer uma filosofia mórbida e pessimista. Nada mais tolo.

O pessimismo, inevitável no pensamento, não impede a ação otimista, corajosa, ousada.

Kilmer Castro disse...

A morbidez e o azedume de Schopenhauer são indiscutíveis, bem como sua influência no pensamento filosófico do infeliz.

Claro exemplo disso pode ser percebido na obra "A Cura de Schopenhauer" quando a personagem que se submete aos ensinamentos daquele filósofo para curar seus dramas existenciais, apenas atinge sua verdadeira libertação quando abandona os preceitos do mestre e rompe com a instrospecção e isolamento a que se submeteu de forma, acredito eu, absolutamente equivocada.

Djavan canta os versos de Jorge Vercilo: "Eu apenas queria me esconder; Hoje sei que ferir foi calar". Isso é a antítese de Schopenhauer.

Não se pode negar a importância de seu pensamento, pois que trata de um lado negro da existência humana, real e repugnante. Ele ganhou a pecha de pessimista por ter-se debruçado sobre temas que preferimos afastar.

Certa dose de pessimismo pode até ser salutar, mas, levado a extremos subverte a natureza humana. Acredito que o homem existe para que tenha alegria.

Márcio disse...

Realmente me identifiquei com o primeiro aforismo! Ah como eu saboreio a possibilidade de ler os livros que compro, e como amargo a falta de tempo para lê-los...

Alaercio Flor disse...

O livro deveria ser parte da cesta básica do trabalhador.Livros baratos,edições baratas para que o pão do espírito pudesse se r digerido com o pão do corpo...Mas para os governantes beócios é extremamente necessário que a maioria permaneça ignorante...

Alaercio Flor disse...

O livro deveria ser parte da cesta básica do trabalhador.Livros baratos,edições baratas para que o pão do espírito pudesse se r digerido com o pão do corpo...Mas para os governantes beócios é extremamente necessário que a maioria permaneça ignorante...

Alaercio Flor disse...

O Brasil de Lula é uma ilusão...O povão tem bolsa de tudo,menos de cultura.Aliás,o mal do nosso presidente é que ele divide com Deus a oniciência e com o Papa a infabilidade...A gripe suina e a dengue ainda vão matar muitos brsileiros,não é so a ignorancia inocente do povo,não.