segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Refinaria Já

*Artigo publicado no jornal Diário do Nordeste, domingo (14/12/08)

Na democracia, se a alternância de poder é a garantia de que serão cumpridos compromissos eleitorais, a descontinuidade administrativa é sua vulnerabilidade. O equilíbrio necessário ao progresso depende de ambas, mudança e continuidade em proporções definidas por cada circunstância. Os bons resultados obtidos pelo Ceará nas duas últimas décadas talvez possam em boa parte ser explicados sob este aspecto promissor: seus governadores, de acordo com as circunstâncias e o estilo pessoal de cada um, tomaram a mesma direção.

Foram quatro governadores nos últimos 21 anos que, observadas sob perspectiva, mantiveram uma linha comum na ação, em conformidade com princípios básicos e visão estratégica muito semelhantes. Isto vale também para o governo atual, apesar do esforço que faz para sobrepor uma marca de singularidade que ainda está, a meio caminho do mandato, longe de imprimir.

Mudar simplesmente o nome dos programas herdados do meu governo é tentativa vã de dar feição nova ao já existente. Não há nada de novo sob o sol do Ceará. Agora, vemos sob nova ameaça uma das principais bandeiras do estado, pela qual nos pautamos, meus antecessores e eu, e faz bem o governador atual em proclamar seu empenho pela garantia desta conquista. Trata-se da instalação de uma refinaria de petróleo na base estrutural do complexo portuário do Pecém. Após anos de luta, vimos, recentemente, o presidente Lula e a Petrobras assumir compromisso definitivo com esta realização.

Precisamos, todos que lutam pelos interesses do povo cearense, nos manter mobilizados em favor desta causa, agora, quando assistimos a declarações de importantes membros do governo federal no sentido de um adiamento sine die da obra. Como presidente local do PR, tenho solicitado aos deputados federais cearenses do nosso partido o máximo empenho para que o Ceará não se veja novamente prejudicado por manobras administrativas que geram incertezas e colocam em risco o êxito em metas fundamentais para o nosso desenvolvimento. A refinaria é uma causa de todos.

* Pres. Executiva Estadual do PR-CE

7 comentários:

Anônimo disse...

Gostei Dr. Lucio,isso sim eh espirito publico.

Célio Ferreira Facó disse...

Bons projetos para o Estado deveriam sobrepor-se à camarilha partidária, como ao subjetivismo de cada governante. Reunir Executivos, administradores e mais: a Assembléia Legislativa, as forças empreendedoras do investimento privado. Contar com o benefício de uma imprensa local atuante, corajosa, capaz da crítica.

Eis o que deveria ser constante em todos os mandatos e mesmo definir as candidaturas vencedoras em cada eleição.

O Ceará em primeiro. Só esta máxima já livraria de muitos descaminhos, muitas tolices perpetradas, muita inércia; asseguraria futuro melhor.

Domingos Sávio disse...

Parabéns. Está na linha certa. Primeiro o Ceará e seu Povo.

Anônimo disse...

Dr.Lúcio,
Peço-lhe encarecidamente que você responda as mentiras e calúnias que o "deus-de-barro"tasso Jereissati deferiu contra você e seu governo.Nós,seus eleitores e admiradores merecemos uma resposta sua.Esse "deus-de-barro" ainda não se concientizou que é um simples desprezível) mortal para muitos que como eu não lhe têm nenhuma admiração e não vivemos ao seu redor lhe fazendo reverencia.Espero que você lhe dê uma resposta à altura das mentiras ditas por ele contra você.Eu nunca ví tanto cinismo e tanta falsidade numa entrevista só...Arg!

Anônimo disse...

Com todas as letras: Tasso Jereissati é um cara-de-pau que deixou o Estado do Ceará QUEBRADO para o Lúcio administrar!

Domingos Sávio disse...

Eu sei que a próxima eleição vem de cima para baixo(conjuntura). Mas torço para que o governo do estado seja disputado por Lúcio Alcântara, Tasso Jereissati e Cid Gomes. Disputa espetacular.

Domingos Sávio disse...

Caso a disputa fosse para o Senado Federal, com: Lúcio Alcântara, Tasso Jereissati, Eunício Oliveira, Patrícia Sabóia e José Pimentel, seria também uma disputa espetacular e o povo agradeceria.