segunda-feira, 7 de julho de 2008

Charada

A alegria do ritmo musical domina a Comunicação.

2 e 3.

15 comentários:

Célio Ferreira Facó disse...

Falar em comunicação ritmada, favorável à EXIGÊNCIA DE DIPLOMA para o exercício da profissão de jornalista escreve hoje Adísia Sá em O Povo. Não logra, porém, a Professora, boa jornalista, produzir, senão argumentos muito FRACOS, fáceis de retorquir. Recorre ao corporativismo: o diploma permitiria a sobrevida de escolas, e sindicatos, e Fenaj. Mas então trata-se apenas de manter um lobby? Recorre à sempre fingida liberdade dos repórteres e editores hoje: o fim do diploma permitiria que patrões contratassem de maior universo, impondo com mais facilidade o controle das redações. Sobre isto, sabe a Professora que quase não é possível imaginar maior promiscuidade entre empresários e o pessoal das redações além do que se pratica hoje Brasil afora. Exceções há, felizmente. A Professora chega a recorrer a um tolo, inacreditável silogismo: faculta a Constituição Federal o exercício de qualquer trabalho – atendidos os requisitos da lei; para jornalistas há o DL972/69; logo, o diploma é necessário. Precisa melhorar, aprofundar-se este debate. Não se pode deixar de considerar, por exemplo, o caráter elitista, excludente da grande mídia nacional e sua inegável imbricação com o poder político e econômico. Capaz, não raro, de exercer-se pelas mesmas toscas personagens do velho cenário nacional. O entrave do diploma não agrava este mal? Outro aspecto que considerar são as repercussões da Internet e das novas tecnologias, que permitem, felizmente, que qualquer crie e desenvolva com sucesso muitos grupos de comunicação e de expressão.

Neto disse...

Bolero é um ritmo que o pessoal do governo gosta de dançar, e o outro? 2 e 3?
Vai, alguém ajuda...

Célio Ferreira Facó disse...

Eleição municipal em Fortaleza.Eis o que quereriam Luizianne e grupelho da reeleição registrar, se pudessem, apenas como chapa provisória, de vice eventual, para uma candidatura apenas obsessiva, com programas mal albardados, promessas absolutamente instantâneas, provisórias. Há muito os cidadãos de Fortaleza deviam recusar, acusar este circo ruim.

Anônimo disse...

verve+bolero= 50% das agências de publicidade que atendem ao governo

neto disse...

E o 2 e 3?

neto disse...

Lúcio, esse blog tá muito paradão! Tem que atualizar mais, eu venho aqui e nada, nada. Também, faço comentário e o lance demora demais a sair no blog. Tem que agilizar.

Rio Raso disse...

Eu estava triste porque não conseguia desvendar a charada, mas agora estou feliz porque o netinho da Edyr Rolim foi libertado do sequestro. Iuuupyyyyy!

Nonato Albuquerque disse...

Doutor Lúcio, tô aqui quebrando a cabeça para decifrar a charada e não consegui nada. E olha que eu gosto de charada, mas...
Bem, diante do que andei lendo de pessoas que nem sabe a que se referem os números, sei que eles dizem respeito ao número de sílabas das palavras, onde Comunicação é a chave final.

Aproveito para lhe deixar uma charadinha:

O artigo definido árabe solfeja um sobrenome famoso (1-2)

Anônimo disse...

É fácil, o nome da agência é Bolero, o dono é André Mota amigo do filho de Arialdo Pinho, que manda na verba do Governo. Nesse caso a da comunicação. Bingo !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
E a população dançando Bolero e pagando a conta.

Anônimo disse...

El Cid

Anônimo disse...

O NEO CID...

Anônimo disse...

E o maxixe que a turma tem dançado ao embalo das bandas de forró?
Esse, Lúcio Alcântara, é o verdadeiro toque que adormece as sereias.
Cuidem-se, cearenses...
Ivana Maia

Lúcio Alcântara disse...

Nonato, será que não é 1 e 3 na sua charada? Estou achando que matei, mas o número de sílabas não está batendo.
Obrigado pela visita.

Lúcio.

Anônimo disse...

Tão "sabida" a Ivana Maia, me lembra alguém...

Anônimo disse...

2 e 3 seriam as colocações na pesquisa eleitoral?