terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Apagões

Do jornal O Estado de S. Paulo, edição de 29/11/09.

Energia
País tem um mini apagão a cada três dias
Desde o apagão do dia 10 foram registrados seis blecautes; consumo de energia bateu três recordes no período

Os apagões foram registrados:
- Nos estados do Acre e Rondônia, devido desligamento da linha de transmissão Vilhena-Pimenta Bueno
- Em cidades do norte de Mato Grosso, em razão de desligamento da linha Nobres-Sinop
- Na região metropolitana de Porto Alegre, por causa de explosão de dois transformadores na subestação Gravataí 2 da CEEE.

2 comentários:

Anônimo disse...

Dr. Lúcio,

Aqui no Brasil parece que estamos fadados a ser “gauche” na vida mesmo. É o espírito de Macunaíma, o personagem que retrata a miscigenação e o sincretismo do brasileiro, conformado não só pela ignorância, como também pela preguiça.

Mas é assim. Ninguém cobra, reclama, exige ou contesta nada. Parece que ninguém lê, que todos abdicaram do direito de se informar. Aceita tudo bovinamente. Quer ver?

- Temos orgulho da nossa aparelhada e pródiga Petrobrás, mas pagamos a gasolina mais cara do mundo. Nem a Argentina, que compra gasolina de nós, revende a seus cidadãos tão caro quanto aqui.

- Temos Itaipu, a maior hidrelétrica do mundo em geração de energia, além de outros grandes empreendimentos como Tucuruí, Belo Monte, Tapajós etc. Mas pagamos pela energia mais cara do mundo, e pior: vivemos sob risco constante de apagões, graças ao aparelhamento das estatais e à incompetência de gestão das empresas, todas loteadas pelo consórcio PT/PMDB.

- Pagamos a mais alta carga tributária do planeta, que nos faz trabalhar quase cinco meses por ano de graça para o governo. E o que isso nos garante? Nada. Qual o retorno desse confisco? Nenhum.
Temos de pagar plano médico particular, se quisermos ter assistência de saúde; procurar escola particular, se quisermos dar educação de qualidade pra nossos filhos; correr para a previdência privada, se quisermos ter uma aposentadoria decente; pagar por segurança particular, se quisermos ter um pouco de sossego e garantia.

E os nossos macunaímas? Serão capazes de enxergar, reclamar, contestar? Não. Vivem felizes com as bolsas-esmolas que acomodam e viciam, cultuam o mito populista com a fé dos crentes, e levam a vida repetindo a máxima do anti-herói de Mário Andrade: AI, QUE PREGUIÇA!!!

Cris

Arimatéa disse...

Pois é meu caro Lúcio, aqui em Rondônia é comum haver apagão. Já passei uma noite toda sem energia, fora os apagões durante o dia e a noite.
Infelizmente nós cidadãos, somos desrespeitados a todo instante. Precisamos reagir, reclamar, exigir nossos direitos,...