segunda-feira, 1 de junho de 2009

O Cara

Em recente encontro de chefes de Estado, realizado nos Emirados Árabes, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que o presidente Lula, do Brasil, era o cara, o governante mais popular do mundo. Creio que se referisse à aprovação interna, isto é, dentro do país dirigido por cada um deles.

Pesquisa realizada em seis países - Estados Unidos (EUA), França, Alemanha, Reino Unido, Espanha e Itália -, ouvidos 6.800 adultos, revelou que Obama se mostrou o mais popular entre os líderes políticos e religiosos mais conhecidos da atualidade.

Teve 78% de aprovação, seguido do Dalai Lama, com 70%; Angela Merkel, 54%; Tony Blair, 49%; e Nicolas Sarkozy, 42%. O papa Bento XVI é o nono da lista, com 36%; e Lula, o décimo primeiro, com 27%.

O brasileiro, entre os líderes de fora da Europa, ficou atrás apenas de Ban Ki-moon, secretário geral da organização das Nações Unidas (ONU). A aceitação de Lula varia muito de um país a outro.

Na Espanha, tem 54%, sendo mais popular que o chefe de Governo, José Luis Zapatero (46%), 31% na Itália, 30% na França, 14% no Reino Unido e 17% nos Estados Unidos e Alemanha. De uma maneira geral, sua rejeição é sempre baixa.

Saiba mais no jornal O Globo, edição de 30/05/09.

4 comentários:

Célio Ferreira Facó disse...

Nunca explicada a enorme popularidade de Lula.

Sem razões lógicas imediatas. Ou econômicas. Ou políticas. Basta lembrar que o ídolo de hoje foi rejeitado várias vezes enquanto candidato.

Faz governo igual aos de sempre. Sem reforma política. Sem melhorar a democracia entre nós. Sem notável crescimento econômico. Não livre de muitos e muitos escândalos, vícios da política nacional.

Um programa equivocado manda distribuir uma bolsa-família Brasil afora sem gerar empregos reais.

Necessário atribuir a Lula a simpatia do povo, que o vê como um seu igual, e uma comunicação fluida com os auditórios.

Nada disso autoriza, porém, a creditar-lhe maior mérito como governante.

A meu ver faz governo tímido; faltou-lhe até aqui a coragem de exercer com ousadia o mandato que lhe confiou a imensa maioria dos brasileiros.

Eis do que deverá arrepender-se quando estiver a fazer o balanço da vida.

Domingos Sávio disse...

Temos que reconhecer, que o presidente LULA é um dos poucos que se mantém sempre com uma popularidade de média para alta.

Domingos Sávio disse...

Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?

(Fernando Pessoa)

Kilmer Castro disse...

Não se chega ao grau de popularidade de Lula por inércia. Ainda mais no curso de um segundo mandato. Tem que ter méritos. E, se se quer atribuir a popularidade de Lula apenas ao baixo nível intelectual dos brasileiros morta-fomes que recebem o bolsa-família, malgrado equívoco.

Ele é festejado mesmo entre os poderosos do mundo. Por isso não me causa espécie a matéria veiculada na Folha On Line de hoje, dando conta de Lula está cotadíssimo para o cargo de Presidente do Banco Mundial, após o fim de seu mandato. Como ele não é um técnico de carreira, o que seria mais indicado ao cargo, deve ter méritos só encontrados naqueles de profunda sensibilidade política, grande senso crítico e empatia a toda prova.

Não tem como não ser popular.

Leia em http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u575900.shtml