quinta-feira, 4 de junho de 2009

Haroldo Juaçaba

Do blog do deputado Leo Alcântara, sobre a morte do meu querido amigo:

As comunidades médica, universitária e a população do Ceará perderam nesta segunda-feira, primeiro de junho, uma de suas maiores referências da área de saúde. Morreu o fundador e atual presidente do Instituto do Câncer do Ceará (ICC), doutor Haroldo Juaçaba.

Amigo pessoal de meu falecido avô, Waldemar Alcântara, e de meu pai, Lúcio Alcântara, doutor Haroldo nos deixou aos 90 anos, de insuficiência respiratória, complicação resultante do avanço do mal de Alzheimer.

Natural de Fortaleza, doutor Haroldo Juaçaba era graduado pela Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro. Fez residência médica no Riverside Hospital, Kentucy, Estados Unidos, no setor de Cirurgia Geral.

Com especialização nas áreas de cirurgia e cancerologia, foi professor da Terceira Cadeira de Clínica Cirúrgica e de Anatomia Topográfica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), e de Anatomia na Escola de Enfermagem São Vicente de Paulo. Coordenou o Internato em Cirurgia da Faculdade de Medicina da UFC e a Residência Médica em Cirurgia do Hospital das Clínicas.

Professor Emérito da Universidade Federal do Ceará, doutor Haroldo Juaçaba foi um dos mestres da medicina cearense. Vocacionado para o ensino das ciências médicas, fez parte do grupo fundador da Faculdade de Medicina da UFC.

Em nosso Estado, foi pioneiro da cirurgia oncológica e um dos criadores do Instituto do Câncer. Também esteve na fundação da Casa de Saúde São Raimundo, hospital relevante na formação de profissionais de saúde no Ceará.

Haroldo Juaçaba defendia, com ardor, a expansão da Faculdade de Medicina da UFC, e sua luta bem sucedida levou o ensino médico de qualidade para o Cariri e a Região Norte do Estado.

Dotado de verdadeiras qualidades, deixa-nos um legado de saber e um grande exemplo de vida. Como bem declarou meu pai, o ex- governador Lúcio Alcântara, Haroldo Juaçaba pode ser considerado um modelo de médico. Não só tecnicamente, mas pelo seu comportamento e sua ética.

À família, expresso toda a minha solidariedade neste momento de pesar.

2 comentários:

Domingos Sávio disse...

Fez sua história. Merece reconhecimento.

Célio Ferreira Facó disse...

É ainda agora o maior desafio levar a medicina, prontamente, às populações.

Eis no que precisam dedicar-se, com o maior empenho, governos e iniciativa privada.

Ciência dotada do incremento de notáveis descobertas e técnicas, permanece inalcançável a vastas fatias do povo.

Nem se trata de ser bonzinho e caridoso. Algumas poucas estatísticas bastam para provar que é mais fácil e barato prevenir que curar.

Homens e mulheres, empregados, saem mais barato e útil aos patrões e organizações se têm saúde e não precisam afastar-se do emprego por doença.

Pelo lado jurídico, é isto também garantia constitucional, a aguardar, como outras muitas entre nós, sua plena realização.