quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Formigas e Cigarras

Na política, como na natureza, há formigas e cigarras. Uns trabalham, outros cantam. Uns produzem, outros gozam.

9 comentários:

Vó Luisinha disse...

É, dr. Lúcio, l'exactitude de citer est un talent beaucoup plus rare qu'on ne pense, já nos ensina Pierre Bayle.

Oberdan disse...

Com certeza Dr. Lúcio, esse é o mais puro retrato da atualidade politica em nosso Estado, infelizmente.

Augusto disse...

E o pior: tem cigarra que canta as músicas de formiguinhas silenciosas.
Só aqui tem cigarra que adora cigarro!

Caminhos do Turismo pelo Turismólogo disse...

Muitas cigarras!!!

Anônimo disse...

E quando acabarem as obras da formiga e chegar o inverno? Ai de nós!

Anônimo disse...

VOLTA DR.LÚCIO...QUE FALTA FAZES AQUI....

Domingos Sávio disse...

Verdade !!! Está tudo atravessado.

Célio Ferreira Facó disse...

Breve reportagem em O Povo, hoje, refere a tentativa de um Victor Rafael Herzog, na Assembléia Legislativa, de reformar o “sistema”. Agarrado e imobilizado, foi dali ao hospital.

Não consta que o rapaz, se o deixassem agir, tivesse o Plano de uma reforma feliz. Pode ser que a sua, aplicada geralmente, fosse considerada ilegítima, casuísta, muito pior. Note-se que quis começar por “reformar” a Casa que deve discutir e aprovar legitimamente as novas mudanças, instituições.

Certo precisa de alterações nossa Assembléia Legislativa. Ela e outros Legislativos. Estes e a administração pública. Esta e o Estado brasileiro. Este, e o mundo, e as pessoas.

Nasce sob horizontes sombrios 2009. Há escassez de crédito e de emprego; piorarão talvez as coisas.

Como reformar tem, porém, desafiado as maiores cabeças. Ainda se discute o modus operandi.

Parece consenso desde o fim da Revolução Francesa que a violência, o terror, a força e a guerra civil não geram senão mais aberrações, novas violências.

Thomas Carlyle, concluindo a sua história daquele período da França, escreveu: “Revoluções terão de ser agora cada vez mais suaves”.

No mesmo Jornal, lemos de outras tentativas impotentes de reformas, segundo Gilvan Rocha: o Fórum Econômico Mundial, em Davos, que diagnosticou que é preciso alterar o modo de produção capitalista, a ideologia do Mercado feito Deus, e o Fórum Social Mundial, que ele lamenta seja algo muito cosmético, quase como a atabalhoada iniciativa do rapaz da Assembléia.

Célio Ferreira Facó disse...

Com efeito, não se vive só de pão. Já o disseram Cristo, Marx, Engels. O próprio socialismo precisa rever-se, adotar novos paradigmas; frustrantes as experiências reais.

É o Editorial de O Povo que sugere um modo mais eficaz de proceder a mudanças agora: a ação humanitária. Exemplifica-a em ação com a libertação de reféns na Colômbia, a oferta de asilo aos prisioneiros de Guantánamo, a iniciativa de Obama.

Este Editorial, falando sobre casos particulares, sugere o que pode ser um algoritmo de mudanças gerais: “A solução terá de ser buscada em um acordo político.. Vale ressaltar... a recorrência... de solução política”. O editorialista, sutilmente, aproveitou e quis inserir aí até o asilo a Battisti, o criminoso italiano.

Reformas urge construir; Lula as ficará devendo a esta República. Como seja, elas têm de nascer como vontade em cada um de nós.