quinta-feira, 25 de março de 2010

Saúde II

A lei que estabelece novas regras para o sistema de saúde americano é taxada por seus críticos de socialista sendo que os mais radicais chegam a considera-la mesmo comunista.

A medida beneficia a classe média baixa, até então à margem do sistema de saúde, oneroso e excludente, cujo fundamento são os seguros de saúde.

2 comentários:

Auriberto Cavalcante disse...

ENQUANTO NOS ESTADOS UNIDOS O GOVERNO OFERECER PLANO DE SAÚDE GRATUITO, AQUI NO CEARÁ O GOVERNO " SOCIALSITA " DO SR. CID
GOMES ( PSB ), RETIRA DIREITOS DO serviDORES ESTADUAIS E VAI CRIAR
UM " PLANO DE SAÚDE PRIVADO " PARA
OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO CEARÁ,
QUE SERÁ PAGO PELOS serviDORES
ESTADUAIS.
EIS O " GRANDE SALTO " PROMETIDO
EM CAMPANHA PELO SR. CID GOMES ( PSB ).

Anônimo disse...

Por princípio, no sistema americano, cada um deve ganhar o suficiente para livremente pagar suas despesas de saúde, educação e outras necessárias para a sua sobrevivência. Eles entendem que tudo o que o governo oferece de graça é paternalismo; são calvinistas ao extremo.

Bem ao contrario do sistema brasileiro onde ganhamos uma "mixaria" e o governo, após impor uma terrível carga tributária, de forma assistencialista "faz de conta" que presta os serviços básicos para o cidadão.

O problema com o sistema americano é que ele não é eficaz para atender a grande quantidade de imigrantes ilegais, pessoas praticamente sem habilitação e sem renda definida. Outro "problema" é que medicina se torna cada mais especializada e em consequencia mais cara.

Tudo se torna mais complicado ainda quando se sabe que os filhos de imigrantes, mesmo ilegais, passam a ser americanos legais.

De uma forma extremamente resumida são essas as maiores dificuldades porque passa o sistema americano de saúde ...

Lógico, o problema é bem maior!